Via e-mail

sábado, 24 de setembro de 2011

Tamanduá-bandeira

Atenção: nenhum isoptero foi ferido durante a noite. Mas um minuto de silêncio pelo boi.



Acredito que todos gostem de viver aquelas dias diferentes. Sair da rotina, curtir um pouco, viajar. Eu particularmente adoro. E foi com esse intuito que peguei a estrada com meus amigos Kareen e João, junto com meus amiguinhos Sofia e Arthur rumo a Feira de Santana, na quarta-feira passada. A desculpa era pegar o carro no conserto e um cinema, mas acabamos num passeio turístico pelo Feira VI, onde fui convidado a provar um delicioso cupim, no tradicional Quatro Estações. Aos detalhes:

Geral: O Quatro Estações é um bar tradicionalmente freqüentado por estudantes. Gerações deles, pelo que soube. Alguns grandes amigos meus já haviam comentado a respeito, e me senti bastante saudosista no local, lembrando de momentos que não vivi, sentindo a presença de Carla e Ronaldo comigo. Era dia de jogo e o ambiente estava bastante barulhento. Mas não se enganem: é aquele barulho gostoso que afasta os maus espíritos. A energia circulando no ar é jovem e fresca. O ambiente é relativamente grande e as mesas se amontoam. Ótima pedida se você busca encontrar amigos ou encontrar aquela pessoa que sempre esteve de olho, mas nunca teve coragem de chegar junto. O atendimento foi eficiente e a garçonete, fardada, simpática. Menos simpático é o cartaz com as regras do recinto, afixado nas grades como papiros romanos. Contudo, devo admitir que as regras são sensatas e a situação engraçada. Dá mais um toque folclórico ao bar.

Higiene: Não pude averiguar a fundo esse quesito. A comida parecia bem, principalmente a carne, que obviamente precisa ser preparada na hora. A salada me deixou um pouco receoso, confesso, os tomates estavam bem maduros, o que de uma maneira geral é bom, mas o cheiro e o aspecto me preocuparam um pouco. Todos os garçons usavam toca e eu torci para que na cozinha também!

A comida: O prato principal foi o famoso cupim! A carne é grelhada, salvo engano, e não assada. Sendo assim, a consistência estava mais firme do que no churrasco. Quem me conhece sabe como sou fresco pra gordura e nervos na carne. Quando criança não comia cupim justamente por conta da gordura entranhada. Mas nesse caso não houve problema algum, muito pelo contrário! Consegui comer toda a peça sem dispensar nada. A textura dava para mastigar lindamente, a gordura derretia na boca e o sabor estava excelente. A carne estava suculenta, cheirosa e o sal corretíssimo. Quando chegou a mesa, soltando aqueles vapores, a salivação foi intensa. Apesar da porção generosa, comeria mais e mais, só de gula. Quem iria gostar muito também é o meu pai, que me ensinou a saborear um bom cupim.

Acompanhamento: A carne vem acompanhada de feijão tropeiro, arroz branco e vinagrete. O feijão estava bem gostoso, assim como a salada de tomates bem maduros e um pouco de coentro, que gosto bastante. O arroz, bem, é o arroz. Tudo é servido em pequenas cumbucas. Pela quantidade reduzida de acompanhamento, percebe-se que é um prato para aperitivo. Mas daqueles aperitivos reforçados, que sustentam muitas rodadas de cerveja sem perder a pose.

Preço: Olha, quando a porção de cupim chegou à mesa me surpreendi. A quantidade é bem generosa. Comeram, na classe, três adultos e as crianças petiscaram um pouquinho. Pedimos também mais umas porções de feijão, não tenho certeza se entraram na conta. Achei o preço bem razoável, ainda mais se for naquele esquema que falei: um prato pra segurar a onda e tome-lhe cerveja! Principalmente na segunda-feira, dia em que esta bebida é dobrada. E o ambiente pede, ainda mais no conhecido calor de Feira de Santana.

Até o próximo encontro! Não deixem de comentar.

2 comentários:

  1. Amigo, adoro a maneira como descreve os lugares! Nossa, lembrei que estive uma vez no Quatro estações! Foi desse jeito: amigos estudantes, barulho, energia positiva, muito legal mesmo! Uma boa opção pra descontração! Bjos, adoro seu blog!

    ResponderExcluir
  2. Apesar de ter feito parte da experiência, posso dizer que através de sua descrição todos podem sentir os sabores e impressões... Foi muito bom retornar ao "meu" Feira VI, principalmente em companhia tão ilustre e agradável! Bjs

    ResponderExcluir